Pular para o conteúdo

Você já ouviu falar na distimia?

O transtorno depressivo persistente, também chamado de distimia, é um diagnóstico relativamente novo que se caracteriza por uma depressão leve, mas persistente.

Como os outros tipos de depressão, as pessoas com distimia podem experimentar sentimentos de profunda tristeza e desesperança. Embora esses sintomas estejam presentes em todas as formas de depressão, na distimia eles podem persistir por muitos anos.

Os principais sintomas

Os sintomas da distimia são semelhantes a um transtorno depressivo maior, com a diferença que eles são crônicos, o que significa que as pessoas sentem esses sintomas por vários anos, dia após dia. Isso acaba gerando não apenas sofrimento para o distímico, mas também para todos ao redor.

Geralmente, a distimia se manifesta na forma de:

  • Depressão quase todos os dias
  • Irritabilidade
  • Falta de apetite (ou comer demais)
  • Sentimentos de culpa, tristeza ou desesperança
  • Baixo humor
  • Baixa autoestima
  • Insônia
  • Dificuldades de concentração ou para tomar decisões

A natureza constante desses sintomas significa que a condição pode interferir na escola, no trabalho e nos relacionamentos pessoais do distímico.

A distimia pode surgir de forma sutil durante a infância, adolescência ou no início da fase adulta. No entanto, pode ser difícil de detectar porque sua natureza menos grave e persistente pode fazer com que a condição pareça “normal” para essa pessoa.

A pessoa com distimia também pode apresentar episódios depressivos maiores.

Leia também:

8 sintomas de depressão que você precisa reconhecer

Tristeza ou depressão? Como diferenciar uma da outra?

Como identificar uma sobrecarga emocional?

As causas da distimia

O que gera o transtorno depressivo persistente ainda não é conhecido totalmente, mas acredita-se que a química do cérebro pode desempenhar um papel importante no início do transtorno.

Entretanto, o quadro pode ser potencializado com outros fatores externos, como estresse, luto, traumas ou grandes mudanças na vida.

A distimia é comum, sendo que qualquer um pode experimentá-la a qualquer momento.

Também há estudos que apontam que familiares próximos com histórico de depressão dobra o risco de a pessoa desenvolver a depressão persistente.

Tratamento

Identificar a distimia não é algo fácil. Muitas vezes, a pessoa tem sintomas por tanto tempo que acredita que eles são parte de sua personalidade. Felizmente, a condição é tratável.

Para isso, é importante procurar um psicólogo para identificar e tratar a distimia.

Geralmente, a terapia cognitiva comportamental é indicada para que o paciente se concentre em aprender a identificar e mudar os padrões de pensamentos negativos que contribuem para a depressão. Isso incluirá conversar com o profissional de saúde mental para ajudá-lo a aceitar os sintomas e estabelecer hábitos de enfrentamento seguros.

Em casos mais graves, é recomendado uma combinação de psicoterapias e medicamentos.

Durante o tratamento, também é recomendado mudar alguns estilos de vida, como evitar álcool, comer uma dieta saudável e fazer exercícios regulares. Respiração profunda e meditação ajudam a atenuar os sintomas.

De forma geral, os pacientes que se recuperaram sentiram que ganharam “ferramentas para lidar com a vida”, incluindo entender a si mesmos e sua condição, ter autoaceitação e amor próprio, além de se concentrar na resolução de problemas que criam angústia.

Mesmo pequenas mudanças podem fazer a diferença no humor e mentalidade da pessoa.

Se você acredita que sofre de distimia, entre em contato comigo.

Me siga no Instagram @dryuribusin.

 

Voltar ao topo