Pular para o conteúdo

Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)

Abrir e fechar a porta várias vezes, conferir se o fogão está desligado 20 vezes antes de sair, não pisar em linhas, não tocar em maçanetas para abrir portas, repetir inúmeras vezes algum ritual, dentre outros comportamentos, estes estão presentes no cotidiano de quem possui o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

Este transtorno, que por diversas vezes é utilizado como piada, tem como característica principal a obsessão e a repetição incessante de algum ritual, tal fato faz com que as pessoas sofram muito.

O TOC é um transtorno de ansiedade, que possui como característica os pensamentos intrusivos, ou seja, a pessoa pensa obsessivamente sobre algo mesmo sem querer, não consegue ter controle sobre o próprio pensamento.

Geralmente, este pensamento está relacionado ao medo de algo ruim acontecer. Um exemplo mais clássico é o medo de contaminação, em que não se toca nas coisas para não se contaminar e, consequentemente, não ficar doente e assim por diante.

Para ajudar a controlar as próprias obsessões surge o comportamento repetitivo, há então, uma compulsão para fazer algo com o objetivo de aliviar a obsessão, onde lava-se as mãos algumas vezes evitando a contaminação, aliviando um pouco a obsessão de sempre pensar em contaminação.

Sendo assim, é notório o ciclo vicioso em que a pessoa se encontra, em que a compulsão vem como uma forma de alívio da obsessão, afinal a pessoa nunca para no pensamento, além de repetir muitas vezes o mesmo comportamento.

Entretanto é importante diferenciar outros comportamentos e até hábitos de organização, perfeccionismo, entre outros em relação ao TOC.

Não podemos generalizar que qualquer pessoa que goste e deseja organizar as próprias coisas tenha TOC, existe uma categoria sub-clínica do transtorno, em que a pessoa tende a fazer poucos/alguns rituais mas não atrapalha a própria vida pessoal.

Mas quando esses rituais começam a ser de maior magnitude e quando há o aparecimento de muito novos, o indivíduo começa a perder um tempo preciso somente para tentar aliviar os pensamentos intrusos em sua mente. Todos podem desenvolver comportamentos compulsivos, mas, nem sempre, vem acompanhando de obsessões.

Além do comportamento compulsivo tomar grande parte do tempo, o transtorno causa uma angústia extrema, acompanhado de tristeza por não conseguir controlar a si mesmo em diversas situações, acarretando em graves mudanças no funcionamento cotidiano.

Nota-se que o TOC se manifesta de diversas maneiras, outro exemplo clássico é o de acumulação, em que a pessoa não consegue se desfazer de objetos que costumeiramente são lixo, imaginando que será útil e que se ela jogar fora irá precisar daquele objeto.

Algumas compulsões não são percebidas pelas demais pessoas, principalmente pelo fato de elas não se manifestarem fisicamente, mas sim mentalmente, como, por exemplo: repetir palavras mentalmente, somar tudo que se vê pela frente, entre outros comportamentos.

Existe tratamento e a Terapia Cognitivo-Comportamental é uma das mais indicadas, assim como o acompanhamento medicamentoso realizado por um psiquiatra.

A terapia visa ajudar o indivíduo a conseguir modificar os comportamentos, assim como, suas obsessões, por meio de técnicas não invasivas que permitirão que o indivíduo seja exposto gradativamente à situações que não são agradáveis.

Voltar ao topo