A vida cotidiana é turbulenta e a mudança de humor é uma resposta natural às diversas situações de estresse. Porém, para algumas pessoas, a alteração é tão extrema que pode ser um sinal de uma condição mais grave, como o transtorno de borderline ou o transtorno bipolar, ambos caracterizados por grandes mudanças de humor.

A semelhança nessa volatilidade, fazendo um indivíduo passar de um humor extremamente alto para um humor extremamente baixo, faz com que muitas pessoas confundam os dois distúrbios. No entanto, são dois diagnósticos distintos e sérios, com sintomas diferentes e que exigem tratamento imediato.

Ambas as doenças afetam milhões de pessoas. Estima-se que o transtorno bipolar afete 4%, ou cerca de 8 milhões de brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB). Quanto a prevalência de transtorno de personalidade borderline, não há estatísticas no Brasil, mas estima-se que a proporção pode chegar a 5,9% da população mundial.

Por isso, se você conhece alguém que sofre de transtornos de humor, ou acredita que possui esse distúrbio, continue lendo e entenda a diferença entre o transtorno bipolar e o transtorno de borderline. Vamos lá?

 

Características do transtorno bipolar

 

O transtorno bipolar é caracterizado por grandes variações no humor e no nível de energia. As pessoas com esse diagnóstico apresenta períodos cíclicos de energia alta extrema, euforia e sentimentos de grandiosidade, seguido de momentos de baixa energia, tristeza intensa e desesperança.

A pessoa nesse estado pode se envolver em comportamentos arriscados e impulsivos. Os pensamentos se tornam muito rápidos e a necessidade de sono é bastante reduzida. Durante a fase depressiva, uma pessoa com transtorno bipolar sente-se extremamente cansada, triste e sem esperança.

 

Características do transtorno de borderline

 

Embora seja parecido com o transtorno bipolar, quando se trata de comportamento impulsivo e alterações de humor, o transtorno de personalidade borderline é diferente porque é caracterizado por padrões de relacionamentos instáveis.

Aqueles com transtorno de personalidade borderline são muito sensíveis e lutam com o gerenciamento de suas emoções. Muitas vezes, eles recorrem a mecanismos de enfrentamento ineficazes, como autoflagelação.

Uma pessoa com esse transtorno é frequentemente torturada por um medo intenso de abandono, levando a relações instáveis ou a relacionamentos que não estão funcionando. Além disso, costumam ter dificuldades de ser contrariado, rejeitado e de lidar com frustrações.

Eles experimentam reações emocionais intensas a eventos de vida perturbadores ou decepcionantes. Eles são tipicamente autocríticos e podem se engajar em comportamento de autoagressão e raivas intensas.

Estima-se que de 8 a 10% dos indivíduos com esse tipo de transtorno cometem suicídio, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

 

A diferença entre os dois transtornos

 

Ambos os transtornos de saúde mental envolvem mudanças de humor e problemas com o controle dos impulsos — tanto que até mesmo os médicos podem apresentar alguma dificuldade para fazer um diagnóstico inicial.

Enquanto o transtorno bipolar envolve uma série de episódios de humor maníacos ou depressivos, o transtorno de personalidade borderline é mais sobre um padrão contínuo de comportamento, os altos e baixos extremos.

As pessoas que lidam com esses transtornos sofrem com períodos de depressão intensa. No entanto, por mais que os períodos depressivos para quem sofre de ambos os transtornos possam envolver elementos comuns, como mudanças nos hábitos de sono ou apetites, eles levam a diferentes tipos de sentimentos.

Uma pessoa que lida com transtorno bipolar pode passar seus episódios depressivos sentindo-se culpada e pensando em erros do passado, enquanto uma pessoa com transtorno de personalidade borderline pode experimentar a depressão como mais um sentimento abstrato que também inclui elementos de raiva e frustração.

 

O tratamento para os transtornos bipolares e de personalidade borderline

 

Os transtornos bipolares (que incluem o transtorno bipolar I e bipolar II, bem como transtorno ciclotímico) envolve diferentes medicações e técnicas terapêuticas do que o tratamento do transtorno de borderline. O tratamento incorreto pode causar muitos problemas.

O tratamento do transtorno bipolar inclui medicamentos como os estabilizadores do humor ou antipsicóticos. Geralmente, a medicação é combinada com psicoterapia, por meio da terapia cognitivo-comportamental.

O transtorno de personalidade borderline também é tratada com psicoterapia, acompanhado de medicamentos que podem ser usados para tratar alguns sintomas específicos, como ansiedade e depressão. Nesse caso, a hospitalização pode ser recomendada se a segurança da pessoa estiver em risco.

O tratamento dos transtornos bipolares e de personalidade borderline pode levar um tempo considerável para ser concluído, mas a pessoa conseguirá melhorar sua capacidade de funcionar e aprender a levar uma vida mais leve e feliz.

 

E você já conhecia a diferença entre o transtornos bipolar e o transtorno de borderline? Você apresenta os sintomas ou conhece alguém que possa sofrer desse distúrbio. Entre em contato com um psicólogo SP!

Deixe um comentário