O debate entre tomar uma decisão baseada na emoção ou na razão é antigo. Platão descreveu a emoção e a razão como dois cavalos nos puxando em direções opostas.

Muitas vezes a tomada de decisão parece uma grande aposta. Ao decidir sobre metas e desejos no calor do momento, as emoções podem nos levar a fazer escolhas que prejudicam nossos interesses de longo prazo. Fazer algo que você não quer fazer é uma das marcas da irracionalidade — portanto, as emoções nos tornam irracionais.

Por outro lado, pensar demais, analisando estrategicamente cada ponto de nossos objetivos futuros pode fazer com que você fique inerte em sua posição atual, com medo do fracasso e impedindo de você se arriscar. Por isso, é fundamental que possamos avaliar os riscos que valem a pena — e as emoções podem nos ajudar a fazer esses julgamentos.

Por isso, neste artigo, você conhecerá mais sobre o antagonismo entre os pensamentos lógico e emocional e como deve tomar suas decisões. Vamos lá?

 

As diferenças entre os pensamentos lógico e emocional

O pensamento lógico é importante, pois ajuda você a pensar com clareza. Ele permite que você tome decisões de forma clara e precisa, entendendo exatamente o que fará e, ainda, vislumbrar as chances de sucesso.

Ou seja, muito mais que fazer uma escolha, você está pensando nas diversas consequências das suas decisões, tendo como base os fatos, a probabilidade e a lógica.

Por outro lado, pensar guiado pelas emoções ajuda a tomar decisões com base na em suas experiências — nos valores que você desenvolveu a partir dessas experiências — além de seus instintos naturais.

Diferente do pensamento lógico, a decisão emocional não é um passo a passo. É uma maneira rápida de tomar decisões porque seu cérebro efetivamente chega a conclusões baseadas em algoritmos simples de tomada de decisão.

No pensamento emocional você não precisa considerar todos os fatores. O cérebro faz isso por você, embora com base em suas experiências e, geralmente, em termos de valor de sobrevivência, em vez da lógica gradual.

Por isso, muitas vezes essas decisões emocionais são ocultadas por preconceitos pessoais. E se é apenas um preconceito, você não deve deixar esse fator afetar sua tomada de decisão.

 

E então, você deve tomar uma decisão com base na emoção ou na razão?

 

Use ambos! Por quê? Porque tanto a lógica quanto as emoções têm os seus prós e contras.

As emoções podem ser experiências poderosas, mas geralmente não duram muito tempo. Às vezes, eles nos fazem fazer coisas das quais depois nos arrependemos. Hoje, você pode estar com raiva de uma pessoa a ponto de gritar com ela. Amanhã, provavelmente, você gostaria de ter agido de uma forma mais racional.

Dessa forma, pense tanto logicamente quanto emocionalmente. Pois, cada um deles ajudará você a considerar as suas decisões sob diferentes perspectivas.

Entretanto, isso nem sempre é uma tarefa fácil. Em tais situações, uma dica prática seria reunir o máximo de informações possíveis, misturando lógica e emoções, e tomar a decisão levando tudo isso em consideração.

Quando se trata de assuntos como amizades, relacionamentos ou qualquer coisa que exija investimento emocional — ou que tenha ganhos emocionais — dê prioridade à emoção. É claro que você deve levar a lógica em consideração, mas em menor grau.

Mas para a maioria das outras situações, em que os ganhos emocionais não são muito importantes, como no cenário profissional, por exemplo, dê prioridade à lógica, mas também considere as suas emoções.

De fato, sem emoção, os humanos seriam incapazes de tomar qualquer decisão. O mesmo vale para a lógica. As emoções podem ser imprevisíveis, pessoais e frustrantes, mas, seja na emoção ou não razão, elas são mais poderosas quando trabalhadas em conjunto.

 

E então, como você tem tomado suas decisões? Pela emoção ou na razão? Compartilhe sua mensagem nos comentários e até a próxima!

Deixe um comentário