Pular para o conteúdo

Entendendo o Suicídio

O suicídio é um assunto pouco discutido, porém, é de extrema importância entendermos um pouco mais sobre este tema, desmistificá-lo, conhecendo suas causas e tratamentos, bem como seus mitos e verdades.

Caso queira saber sobre Setembro Amarelo 🎗, vá até o final da página.

Entendendo o suicídio

O suicídio é considerado atualmente uma das cinco maiores causas de morte entre indivíduos do sexo masculino com idade entre 15 e 29 anos e, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 800.000 pessoas cometem suicídio por ano. Isso equivale a um caso de suicídio a cada 40 segundos. Os métodos mais utilizados são o envenenamento, o enforcamento e o uso de armas de fogo. Outro dado importante é que cerca de 75% dos suicídios acontecem em países menos desenvolvidos, entre eles, o Brasil.

No Brasil houve/tivemos cerca de 12 mil casos de suicídios em 2012. O que preocupa muito os especialistas é a rapidez com que o índice de suicídios vem subindo; cerca de 10% nos últimos 10 anos. A liderança em termos de números absolutos é da Índia, com 258 mil casos por ano.

Vale lembrar que o suicídio geralmente é um meio que o indivíduo encontra para acabar com seu sofrimento, pois, ele não vê mais saídas para seus problemas e quer acabar com sua angústia. Mas a boa notícia é que existem tratamentos com psicólogos e psiquiatras e muitas soluções para este problema. Existem, inclusive, formas de prevenção do suicídio e como o psicólogo pode ajudar, já abordadas no blog.

Há um grande estigma sobre o assunto, ou melhor, existe uma grande dificuldade de se falar em saúde mental e, em função disso, muitas vezes não são realizados os devidos tratamentos e pouca atenção é direcionada a um assunto tão importante. Sendo assim, divulgar e desmistificar o que é o suicídio é uma ótima forma de esclarecer e combater uma das maiores causas de mortes no mundo.

Veja abaixo algumas causas que podem levar ao suicídio:

Depressão

Indivíduos que estão em um estágio avançado de depressão podem ter um forte impulso suicida, uma vez que sentem um vazio enorme e não conseguem ver outra saída para acabar com o seu sofrimento. Nesses casos, é necessária a imediata intervenção e observação médica e psicológica. O uso de antidepressivos e a monitoração constante por parte de amigos e familiares são fundamentais para a melhora do paciente.

Solidão

Existem inúmeros motivos que podem levar uma pessoa a sentir solidão. Uma mudança para outro país, tragédias pessoais ou mesmo a timidez são apenas alguns deles. Em muitos casos, pessoas solitárias podem sentir um impulso para pôr um fim à própria vida, pois acreditam que ninguém sentirá sua falta. Isso não poderia estar mais longe da verdade. O suicídio afeta todas as pessoas próximas à vítima e ela certamente fará muita falta em seu meio.

Vale lembrar que a solidão é um sentimento, não um fato. Com o tratamento adequado, a pessoa com certeza irá superar essa fase. Além disso, existem muitas maneiras de superar a solidão. O indivíduo pode começar a praticar atividades em grupo, dedicar-se a uma religião, procurar pessoas com interesses semelhantes aos seus, e muitas outras!

Problemas financeiros e profissionais

Problemas financeiros e profissionais afetam muitas pessoas todos os dias. Ficar com a conta no vermelho sem conseguir sair dessa situação pode gerar um sentimento defracasso. Mas o suicídio não é a saída. O ideal é tentar resolver a situação junto ao banco sem se desesperar e buscar a ajuda de profissionais para conseguir superar essa fase e desenvolver o melhor de si.

Desilusão amorosa ou afetiva

O término de uma amizade ou de um relacionamento amoroso pode levar as pessoas a um sentimento muito grande de tristeza, tonando o suicídio uma opção, já que a pessoa nessa situação não vê de que outra forma poderá dar um fim ao seu sofrimento. Mas vale lembrar que muitas pessoas não merecem nossas lágrimas, então é interessante a pessoa refletir um pouco mais e começar a colocar-se num lugar de prioridade em sua própria vida.

Problemas graves de saúde

Pessoas que sofreram com acidentes ou estão em estágios avançados de doenças podem desejar pôr fim a seu sofrimento. Mas se esquecem de que esse ato trará ainda mais dor aos seus entes queridos. Por que não aproveitar esse período para reformular a vida e dar um novo significado e objetivo a ela?

Traumas

Indivíduos que vivenciaram experiências chocantes como guerras, situações de combate, sequestros e diversas outras situações traumáticas, podem sentir uma grande angústia diariamente. Nesses casos, recomenda-se o acompanhamento psicológico e, se necessário, o uso de remédios.

Abusos durante a infância e a adolescência

O abuso infantil deixa marcas profundas em suas vítimas. e causa um enorme sofrimento, levado para a vida toda. Infelizmente, ainda convivemos com uma realidade em que existem muitos desses abusos.

Por essa razão, é são necessárias a vigilância e as orientações constantes de nossas crianças. Em situações em que o abuso já ocorreu, serão necessários anos de terapia e acompanhamento psicológico para a superação do trauma. Vale lembrar que também devemos denunciar os abusos às autoridades responsáveis.

Dificuldade de interação social

Timidez, insegurança ou mesmo um comportamento excêntrico podem fazer com que as pessoas tenham dificuldades de relacionamento. Isso pode levar à solidão e como falamos acima, a solidão pode gerar sentimentos de tristeza.

Existem várias maneiras de vencer a timidez e superar a solidão. Mas caso seja necessário, um bom psicólogo pode ajudar a pessoa a vencer esse desafio.

Incapacidade de lidar com a perda de um ente querido

Assim como o término de um relacionamento, a morte de alguém que amamos é causa de grande sofrimento. Em primeiro lugar, devemos entender que vivenciar o período de luto é normal, porém, existem limites de tempo para o término desse período.

Perdas fazem parte da vida e precisamos aprender a conviver com elas. A pessoa não deve permitir que o luto se transforme em depressão e deve sempre se lembrar que tirar a própria vida não trará a pessoa amada de volta.

Vazio existencial

Vivemos em um mundo cruel, caótico e que, muitas vezes, parece sem sentido. Diante desse cenário, muitas pessoas sentem-se desmotivadas a continuar vivendo e por isso recorrem ao suicídio.

Outros transtornos mentais

Portadores de transtornos como esquizofrenia, podem ter alucinações ou delírios que os deixem em situação de risco, levando ao suicídio. Nesse caso, são indispensáveis os acompanhamentos médico e psicológico, a vigilância familiar e a utilização de remédios.

O que um Hater por causar na vida de alguém

Atualmente vemos um movimento crescente na internet, de indivíduos chamados “haters”, que costumam xingar, brigar, humilhar e criar caos na vida de outros pelas redes sociais. Contudo, muitas pessoas não têm ideia do que podem causar no alvo do ataque.

Participei de uma reportagem especial do fantástico sobre o tema, em que comento como isso pode afetar as pessoas.

Participei de uma reportagem especial do Fantástico sobre o tema, em que comento como esse comportamento pode afetar as pessoas, chamado Haters, o exército invisível que dissemina ódio na internet e não poupa ninguém de seus ataques.

Haters, o exército invisível que dissemina ódio na internet e não poupa ninguém de seus ataques

Glamourizar X Ignorar o suicídio. Duas faces do mesmo problema.

Durante toda a história humana, diversos povos lidaram de formas diferentes com a questão do suicídio. Para os antigos gregos, o suicídio era um ato repugnante que sujava toda a história do indivíduo, impedindo até que ele tivesse direito à honra de um funeral decente, mesmo que fosse um herói (vide o caso de Ajax de Telamon). Já para os guerreiros samurais, o suicídio era uma forma de apagar a desonra de uma derrota.

Infelizmente, nossa atual sociedade vem banalizando o suicídio, seja por meio de filmes e seriados, seja por uma postura de encarar esse problema como ‘’uma mera frescura ou uma forma de chamar a atenção’’. É necessário que todos prestem a devida atenção a esse tema, procurando sempre compreender o sofrimento do indivíduo.

Religiões diferentes, visões semelhantes

É fato notório que as grandes religiões possuem uma vasta tradição filosófica. Por este motivo, é impossível ignorar sua importância para o pensamento humano. Mas o que isso tem a ver?

Embora sejam muito diferentes entre si, as principais religiões (cristianismo, judaísmo, budismo, hinduísmo e o islamismo) possuem todas visões muito negativas acerca do suicídio. Esse é um fator a ser considerado.

Deixaram saudades. Famosos que encerraram a carreira muito antes do que deveriam

Quando nos lembramos deles, é impossível não ficarmos tristes ao imaginar que o mundo seria um lugar muito melhor, caso eles não tivessem interrompido a própria vida.

Entre eles estão Robin Willians, Marlin Monroe, Heath Ledger, Santos Dumont, Leila Lopes, Ariclê Perez, Van Gogh, Tony Scott, Kurt Cobain, Chester Bennington, Chris Cornell e Anthony Bourdain.

Alguns Mitos sobre o suicídio

Mito 1 – “As pessoas que, ameaçam se matar estão apenas querendo chamar a atenção”.

FALSO – a pessoa pode sim estar passando por um período difícil de sua vida e estar solicitando ajuda. Toda e qualquer ameaça a de suicídio deve ser levada a sério.

Mito 2 – “O suicídio acontece sem aviso”.

FALSO – apesar de muitos pensarem ser um ato impulsivo, isso nem sempre é verdade. Muitas pessoas pensam em suicídio constantemente. Além disso, muitos suicidas comunicam seu sofrimento diariamente a outras pessoas.

Mito 3 – “O suicídio só acontece com os outros.”

FALSO – O suicídio pode ocorrer com quaisquer pessoas que estejam em um alto grau de sofrimento. Aqui vale lembrar que o sofrimento independe de dinheiro, classe social, etc…

Mito 4 – “Uma pessoa que tentou cometer suicídio uma vez, não voltará a tentar.”

FALSO – Na verdade**,** as tentativas de suicídio são um um indicador de que o suicídio pode realmente ocorrer.

Conclusão

Espero que esse artigo possa ter ajudado você a entender melhor este tema, ou a auxiliar alguém que esteja passando por uma fase difícil. Apesar das tragédias e injustiças, a vida é maravilhosa e vale a pena vivê-la.

Caso precise de ajuda, não hesite em procurar um consultório de psicologia especializado na área. Não há nada de errado em precisar de ajuda profissional! Venha conversar comigo! Tudo bem buscar ajuda!

Conhece alguém que precisa ler esse texto? Então compartilhe em suas redes sociais, você pode ajudar alguém.

O que o Setembro Amarelo 🎗 tem a ver com suicídio?

Setembro é o mês mundial de prevenção do suicídio, chamado também de Setembro Amarelo. O assunto que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e falta de informação.

O movimento Setembro Amarelo foi iniciado em 2015, da qual visa sensibilizar e conscientizar a população sobre a questão. Visite www.setembroamarelo.org.br ou o CVV www.cvv.org.br) para saber mais.

Voltar ao topo