Pular para o conteúdo

Por que temos a necessidade de Mentir?

Todos os dias nos deparamos com muitas pessoas, conversamos com diversas e mentimos para muitas delas, parece duro falar desta forma, mas não podemos negar a realidade… A mentira está presente no cotidiano e como diria Dr. House, da série americana House, “todo mundo mente”.

Negar a existência da mentira é apenas reafirmar que ela existe, e muito. O ato de mentir começa a partir do momento que não somos verdadeiros uns com os outros, na realidade, as mentiras são muito necessárias para ajustes sociais, nesta hora vocês devem estar se perguntando: “O quê? Ele está afirmando que mentir é bom?”.

Sim, pois em muitos casos a mentira é utilizada como uma forma de ajuste social, isso não a faz ser boa ou ruim, faz a vermos como algo a ser muito estudado.

Imaginem o extremo, ou seja, pensem como seria o ato de só falar a verdade, sem nenhum filtro social. A resposta é: INSUPORTÁVEL, uma vez que todos falariam abertamente coisas como: “Nossa como você está feia!”, “Nossa como você é gordo!”, entre outras frases que são muitas vezes são consideradas reais, porém, por motivos de ajuste social, não são verbalizadas.

A mentira está mais presente no cotidiano do que se imagina, pequenas ou grandes, elas sempre estão e estarão presentes. Nos dias atuais nota-se que costuma-se mentir uma média de três vezes por dia, aposto que depois dessa informação você deve estar questionando: “Mas eu não minto, nunca! Como isso é possível?”.

A mentira nem sempre está ligada a fazer mal ao outro, muitas vezes está ligada a ocultar algo ou até mesmo em você se auto enganar para esquecer de alguns detalhes que para você não foram relevantes.

Um bom exemplo para ilustrar tal fato é a resposta dada para as pessoas que perguntaram se está tudo bem e você, mesmo sabendo que não está bem, responde: “Claro, está tudo ótimo!”, este ato de mentira é uma clara apresentação do que se constitui como mentiras de ajustes sociais.

Platão (428-348 a.C.) faz a primeira distinção entre mentiras, e aponta a diferença entre a mentira que é utilizada para proteger alguém e a outra que é feita para prejudicar a outra pessoa.

O primeiro tipo de mentira é conhecida como “Mentira Altruísta” e são realizadas com a finalidade de proteger um terceiro indivíduo. Em oposição às mentiras altruístas existem mentiras que dão aos mentirosos alguma vantagem dada pela quebra de alguma regra.

O mentiroso é aquele que tenta fazer com que o outro acredite nas suas palavras com algum tipo de benefício,evitando perdas. Há um grande estereótipo para os mentirosos, como, por exemplo: evitar o contato visual, pausar frequentemente a fala, gesticular muito, entre outros, os quais nem sempre são reais.

No entanto, nem sempre os sinais são identificados, pois muitas mentiras são contadas com sucesso, já que o indivíduo acredita realmente na mesma, ou tem importantes motivos para mentir, ou ele é realmente um bom mentiroso.

Dentre alguns motivos listados que levam a pessoa a mentir destacam-se: evitar algum tipo de punição; obter alguma recompensa; proteger alguém; ser reconhecido pelos outros, evitar situação que traga constrangimento e exercer algum poder sobre os outros.

Algumas vezes a mentira não passa de uma simples resposta de sim ou não, mas em alguns casos se torna uma complexa história.

A mentira então deixa de ser apenas um ajuste social e passa a ser um problema social, em que milhões e milhões de reais são gastos por golpes de pessoas às instituições, entre outros problemas que deixam a linha do financeiro e começam a ser pessoal, como traições.

Apesar da mentira não ser um “bicho de sete cabeças”, ela consegue mexer bastante com a cabeça de cada um.

O que achou? Comente sobre isso e leia mais post sobre psicologia em meu blog!

Voltar ao topo