Pular para o conteúdo

Perfeccionismo, qualidade ou defeito?

O perfeccionismo pode ser definido como a recusa em aceitar qualquer padrão que contenha quaisquer falhas ou defeitos. Os indivíduos perfeccionistas costumam estipular metas ousadas e acreditam que o erro pode trazer consequências muito severas para suas vidas. Entretanto, esse tipo de comportamento pode ser prejudicial para as pessoas, desencadeando uma série de patologias.

O tratamento para o perfeccionismo requer que a pessoa aceita as impossibilidades e imperfeições da vida. Normalmente, esse traço de personalidade é gerado na infância, o que requer que a pessoa compreenda que criou padrões muito exigentes para si mesmo, padrões esses que são irracionais e que são muito difíceis de ser alcançados.

Trabalhar a ansiedade, lidar com o erro e experimentar outras formas de realizar tarefas podem ser hábitos positivos para minimizar a angústia pela excelência. Entretanto, se o perfeccionista está tendo prejuízos em sua vida, é hora de buscar uma ajuda de psicólogo.

As raízes do perfeccionismo

A pressão para sermos “perfeitos” começa ainda na infância. No período escolar, as crianças são recompensadas por estarem “certas” nas aulas e pelo bom desempenho em atividades extracurriculares. Elas ganham a atenção e a admiração dos outros quando conquistam algo de forma excepcional e sem cometer nenhum erro.

Durante a adolescência, por influência da cultura pop, redes sociais e outros meios de comunicação, os jovens tendem a acreditar que existe uma forma perfeita de ser e de fazer. A ilusão que existe um padrão de beleza e de comportamento que deve ser seguido à risca.

E, na idade adulta, as empresas exigem padrões altos de qualidade em seus processos, com a obrigação da melhoria contínua. No entanto, ao mesmo tempo em que a pressão pela produtividade, eficiência e inovação cresce, os sintomas de procrastinação e estresse também aumentam no ambiente de trabalho.

Os perigos do perfeccionismo

Numa sociedade onde a excelência é valorizada, prezar pelo perfeccionismo pode ser algo positivo. Entretanto, existe um ponto em que o impulso pela perfeição pode ir longe demais. Quando a motivação pela excelência trabalha junto com o ego ou o senso de valor próprio de alguém, pode tornar o perfeccionismo prejudicial e até viciante para o indivíduo.

Se alguém se sente bem apenas quando é perfeito, então ele terá que trabalhar mais e mais para não cometer algum erro inevitável. Nisso, a pessoa inicia uma jornada de dedicação desproporcional, potencializando seu nível de frustração quando não alcança o objetivo idealizado, trazendo muito sofrimento.

Quando o comportamento perfeccionismo gera ansiedade e estresse elevados no indivíduo é preciso ter atenção. Patologias como distúrbios alimentares, comportamentos obsessivos compulsivos e até comportamentos suicidas, podem ser motivados pela busca da perfeição.

A beleza de ser imperfeito

O que é ser perfeito? O que significa fazer algo com perfeição? É interessante ver o quanto a definição de perfeição muda de pessoa para a pessoa. Não existe um consenso, pois não existe a perfeição. Por mais que todos lutem pela perfeição, nenhum deles conseguem alcançá-la.

O medo de não pertencer, de não ser reconhecido, de ser rejeitado pelo grupo impede o indivíduo de desfrutar de suas próprias imperfeições. Reconhecer que não é perfeito requer uma dose de autoestima, segurança e, principalmente, humildade. Todos cometem erros. Se uma pessoa não é bom em determinada tarefa, muito provavelmente ela é boa em outra.

Seus medos e falhas, tão imperfeitos, ajudaram a construir a pessoa que você é hoje. A ideia de perfeição foi normatizado pela sociedade atual, algo que não é natural. Por isso, é preciso apreciar as peculiaridades, as falhas, a singularidade das coisas. Sinta as imperfeições, porque essas características são o que tornam você uma pessoa especial e única.

E você, tem exigido um alto padrão de excelência em suas tarefas do cotidiano? Precisa de ajuda para superar o perfeccionismo e começar a aceitar as suas imperfeições? Deixe sua mensagem nos comentários ou entre em contato comigo! Gostaria de ler mais textos sobre o universo da psicologia? Basta acessar o nosso blog.

Voltar ao topo