O transtorno de somatização é uma forma de distúrbio mental que causa sintomas físicos em uma pessoa, incluindo a dor. A angústia que essa pessoa experimenta com essa dor é real, independentemente dela ter ou não uma explicação física para o que está sentindo.

Todo mundo, em algum momento, experimenta a somatização, por exemplo, ao chorar quando está triste ou respirar mais rápido quando está com medo. No entanto, em determinados casos, as emoções e o sofrimento possui tal magnitude que impede a pessoa de realizar atividades importantes, como trabalhar, ir à escola ou realizar outras tarefas sociais.

Por isso, nesse artigo, você vai conhecer mais sobre o transtorno de somatização, os principais sintomas e as formas de tratamento. Continue a leitura e saiba se você sofre dessa condição!

 

Como ocorre a somatização?

O sistema nervoso humano é formado pelos sistemas simpáticos e parassimpáticos. São eles, em equilíbrio, que fazem a ligação entre o corpo e a mente, controlando nossos reflexos e dizendo quando devemos ficar em alerta.

Por exemplo, diante de um perigo, o sistema simpático faz com que seu coração bata mais rápido, seus músculos fiquem tensos, suas pupilas se dilatem e seu estômago fique mais lento para deixá-lo pronto para a ação. Mais tarde, quando o perigo passa, seu sistema parassimpático entra em ação e diz ao seu corpo para se acalmar.

Diante dessa forte conexão entre corpo e mente, emoções, estresse e outros transtornos também tem o potencial tornar os sintomas de uma condição física mais forte ou frequente. Muitas vezes, a dor afeta um ou mais órgãos diferentes.

Como diagnosticar a somatização?

Geralmente, os sintomas físicos que caracterizam o distúrbio de somatização não podem ser atribuídos a condições médicas. Mesmo que muitos sintomas se assemelham àqueles associados a doenças genuínas, alguns dos sintomas relatados por pessoas com transtorno de somatização não são explicáveis fisicamente.

Assim, os indivíduos com somatização frequentemente passam por inúmeros consultas e exames com resultados negativos, antes que a causa psicológica de seu sofrimento seja finalmente identificada.

O paciente pode experimentar sintomas como dor, problemas neurológicos, queixas gastrointestinais, fraqueza e até distúrbios sexuais. Outros sintomas frequentes são dores de cabeça, dor nas costas ou nas articulações, dificuldade para engolir ou falar e retenção urinária. Assim, o distúrbio resulta em prejuízo significativo em áreas sociais, ocupacionais e outros setores importantes da vida de uma pessoa.

Se uma avaliação médica completa não revelar nenhuma evidência de uma condição física ou medicamentosa, o diagnóstico de distúrbio de somatização é provável.

 

Como tratar o transtorno de somatização?

Ao passar por uma consulta médica, o paciente do transtorno de somatização pode experimentar insatisfação, estresse e frustração ao descobrir que sua dor não é clinicamente explicável.

Esse distúrbio é perigoso, pois, pode motivar o paciente a tomar vários medicamentos diferentes, arriscando sua vida, na tentativa de curar a “dor física”, quando o problema está na sua mente.

Existem tratamentos muito bons e eficazes para a somatização. No entanto, os tratamentos não são os mesmos para todos. O melhor tratamento envolve uma equipe médica que trata não apenas a parte física, mas também o impacto emocional dos sintomas da pessoa.

Na maioria dos casos, a terapia cognitiva comportamental é indicada. Essa psicoterapia se concentra na mudança de padrões negativos de pensamentos, sentimentos e comportamentos que contribuem para os sintomas somáticos.

A terapia com um psicólogo concentra-se em ajudar os pacientes a identificar o pensamento disfuncional sobre as sensações físicas. Com a prática, os pacientes aprendem a reconhecer o pensamento catastrófico e a desenvolver explicações mais racionais para seus sentimentos.

Felizmente, o prognóstico da doença é positivo, podendo a psicoterapia e a medicação reduzir efetivamente os sintomas e a incapacidade. Por isso, a maior prevenção para o transtorno de somatização é identificar o distúrbio e ajudar os pacientes a receber o tratamento psicológico adequado.

 

E você, está sentindo sintomas físicos que não tem explicação médica? Suspeita que você sofre de transtorno de somatização? Então, marque uma consulta comigo para fazer uma avaliação!