Pular para o conteúdo

Como é o tratamento para ansiedade na terapia cognitivo comportamental

Cotidiano
Como é o tratamento para ansiedade na terapia cognitivo comportamental

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é um tratamento eficaz para a ansiedade. O tratamento geralmente inclui identificar e mudar padrões de pensamento e comportamento disfuncionais relacionados à ansiedade.

O objetivo da TCC é ajudar as pessoas a identificar e mudar pensamentos negativos e distorcidos, como “Eu não vou conseguir lidar com isso” ou “Isso é perigoso”, que podem levar a sensações de ansiedade e evitar comportamentos relacionados à ansiedade, como evitar situações ansiógenas.

Na TCC, as sessões geralmente começam com o terapeuta ajudando o paciente a identificar os pensamentos e comportamentos relacionados à ansiedade. Isso pode incluir registrar os pensamentos, sentimentos e comportamentos do paciente em um diário ou entrevistar o paciente sobre suas preocupações e ansiedade.

Em seguida, o terapeuta ajuda o paciente a avaliar esses pensamentos e comportamentos para determinar se eles são realistas e úteis. Se os pensamentos são negativos e distorcidos, o terapeuta ensina técnicas para mudar esses pensamentos para algo mais realista e útil. Isso pode incluir questionar a evidência para suportar um pensamento negativo, olhar para a situação de uma perspectiva diferente ou usar técnicas de visualização para lidar com pensamentos ansiógenos.

Além de mudar os pensamentos, a TCC também enfoca a exposição gradual a situações ansiógenas, permitindo que o paciente se acostume e aprenda a lidar com essas situações. Isso pode incluir exposição às situações na vida real, usando imaginação e até mesmo alguns tipos de exposição virtual. O objetivo dessas exposições é ajudar as pessoas a aprender a lidar com sua ansiedade e se sentir mais confortáveis ​​em situações que antes as causavam ansiedade.

TCC é geralmente um tratamento curto-termo, mas a duração pode variar dependendo da natureza e gravidade da ansiedade do indivíduo e sua capacidade de aplicar as técnicas aprendidas na vida cotidiana. A TCC é uma abordagem comprovada para o tratamento da ansiedade e pode ser usada sozinha ou em conjunto com medicamentos.

É importante notar que cada pessoa é única e pode responder de maneira diferente ao tratamento, por isso é importante trabalhar com um terapeuta qualificado e experiente para personalizar o tratamento para atender às necessidades específicas do indivíduo. A comunicação aberta e honesta com o terapeuta é fundamental para o sucesso do tratamento.

A terapia cognitivo-comportamental é uma abordagem eficaz para tratar a ansiedade. Estudos têm mostrado que a TCC é tão eficaz quanto os medicamentos no tratamento da ansiedade e, em muitos casos, pode ser mais eficaz a longo prazo.

Por exemplo, um estudo de meta-análise publicado no Journal of the American Medical Association em 2010, avaliou as taxas de remissão para transtorno de ansiedade generalizada (TAG) em pacientes tratados com TCC ou medicamentos e encontrou que 70% dos pacientes tratados com TCC apresentaram melhora significativa comparado com 35% dos pacientes tratados com medicamentos.

Outra meta-análise publicada no Journal of Consulting and Clinical Psychology, em 2011, comparou a eficácia da TCC com outros tratamentos para transtorno de ansiedade social e encontrou que a TCC era mais eficaz do que a terapia não específica, e comparável a outras terapias específicas.

Além disso, muitos estudos têm mostrado que os resultados do tratamento com TCC são consistentes e duradouros, com benefícios a longo prazo sendo relatados para muitos pacientes mesmo após o término do tratamento.

O que é Ansiedade e quais os sintomas mais comuns?

A ansiedade é uma categoria de transtorno mental descrita no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) como um conjunto de sintomas físicos e mentais que incluem preocupação persistente, medo ou evitação de determinadas situações.

Os critérios diagnósticos para transtornos de ansiedade incluem:

  1. Preocupação ou ansiedade excessiva em relação a várias áreas da vida, como trabalho, saúde ou relacionamentos, por um período de pelo menos seis meses.
  2. Dificuldade em controlar essa preocupação ou ansiedade.
  3. Alterações significativas no comportamento devido à preocupação ou ansiedade, como evitar certas situações ou dificuldade para realizar atividades cotidianas.
  4. Preocupação excessiva ou medo constante, mesmo quando não há motivo aparente.
  5. Sensação de tensão ou inquietude.
  6. Dificuldade de concentração ou dificuldade em parar de se preocupar.
  7. Dificuldade em relaxar ou se divertir.
  8. Sintomas físicos:
  • Palpitações, sudorese, tensão muscular ou dor de cabeça.

  • Dificuldade para dormir ou sono inquieto.

  • Fadiga, cansaço ou fraqueza.

Alguns exemplos de ansiedade podem ser:

  • Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): é caracterizado por preocupação excessiva e constante sobre vários eventos ou atividades, como saúde, trabalho, relacionamentos, etc.
  • Transtorno de ansiedade social (fobia social) : é caracterizado por medo intenso e evitação de situações sociais ou de performance, como falar em público ou ir a festas.
  • Transtorno de pânico: é caracterizado por ataques súbitos e intensos de medo ou desespero, geralmente sem motivo aparente.

É importante notar que a ansiedade é uma resposta normal a situações estressantes, mas quando ela se torna excessiva e impede a capacidade de uma pessoa de levar uma vida normal, pode ser considerada um transtorno de ansiedade.

Vale frisar que essa é uma descrição geral e consulta com profissionais da saúde como psicólogos e psiquiatras é recomendado para avaliar e tratar casos específicos.

Na dúvida, busque um psicólogo cognitivo comportamental.

Exemplos de uma situações que podem gerar ansiedade

Um exemplo de uma situação que pode gerar ansiedade é falar em público. Imagine que eu sou uma pessoa ansiosa e tenho que fazer uma apresentação para um grande grupo de pessoas. Algumas falas comuns que eu poderia ter durante essa situação incluem:

  • “Eu não vou conseguir me concentrar, minha mente vai ficar em branco.”
  • “Eu não sei o que vou dizer, eu não me preparei o suficiente.”
  • “Eu não sou bom falando em público, eu vou parecer um idiota.”
  • “Eu estou me sentindo muito ansioso, minha respiração está ofegante e minhas mãos estão suadas.”
  • “Eu não quero fazer isso, eu prefiro desistir antes de falhar.”
  • “Eu vou passar mal, ou pior ainda, desmaiar”

Outro exemplo de uma situação que pode gerar ansiedade é viajar de avião. Imagine que eu sou uma pessoa ansiosa e tenho que pegar um voo de longa distância. Algumas falas comuns que eu poderia ter durante essa situação incluem:

  • “Eu não posso acreditar que estou fazendo isso, eu odeio voar.”
  • “Eu estou preocupado com a segurança, o avião pode cair.”
  • “Eu não vou conseguir lidar com o medo e o desconforto.”
  • “Eu não posso acreditar que estou trancado em um metal voador a quilômetros de altura.”
  • “Eu vou ficar preso em um lugar apertado por horas e não vou conseguir sair”
  • “Eu vou ficar doente, eu não posso suportar essa pressão”

Outro exemplo de uma situação que pode gerar ansiedade é marcar uma consulta médica. Imagine que eu sou uma pessoa ansiosa e tenho que marcar uma consulta para ver um médico. Algumas falas comuns que eu poderia ter durante essa situação incluem:

  • “Eu não posso acreditar que estou fazendo isso, eu odeio médicos.”
  • “Eu estou preocupado com o resultado, e se eu tiver algo grave?”
  • “Eu não vou conseguir lidar com a dor ou o desconforto.”
  • “Eu não posso acreditar que eu tenho que me expor a um exame invasivo.”
  • “Eu vou ficar preso em um quarto por horas e não vou conseguir sair”
  • “Eu vou ficar com medo, eu não posso suportar essa incerteza”

Essas falas ilustram como a ansiedade pode afetar o pensamento e comportamento, e como pode criar pensamentos negativos e distorcidos. Em uma situação como esta, uma pessoa ansiosa pode se sentir paralisada e incapaz de agir, e pode evitar de falar em público, de viajar de avião ou de marcar uma consulta médica.

Aqui são apenas alguns exemplos de manifestações de Ansiedade, mas podemos ter muito mais exemplos de acordo com o que passa com cada pessoa.

O que pode acontecer se não tratar a Ansiedade?

Se a ansiedade não for tratada, ela pode ter uma série de consequências negativas para a saúde física e mental da pessoa. Algumas dessas consequências podem incluir:

  1. Piora dos sintomas de ansiedade: A ansiedade pode se tornar cada vez mais intensa e frequente se não for tratada, levando a uma deterioração da qualidade de vida e dificuldade para realizar tarefas cotidianas.
  2. Problemas físicos: A ansiedade prolongada pode causar sintomas físicos como dores de cabeça, dores musculares, problemas estomacais e problemas cardíacos.
  3. Problemas de sono: A ansiedade pode causar dificuldade para dormir ou causar insônia, o que pode levar a outros problemas de saúde, como fadiga, irritabilidade e dificuldade para concentrar.
  4. Dificuldade para manter relacionamentos: A ansiedade pode tornar difícil para as pessoas se relacionarem com os outros, especialmente em situações sociais. Isso pode levar a isolamento social e problemas de autoestima.
  5. Problemas de saúde mental adicionais: Se a ansiedade não for tratada, ela pode levar a outros problemas de saúde mental, como depressão, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e dependência de substâncias.

Tratar a ansiedade é importante para melhorar a qualidade de vida, evitar problemas físicos e mentais, bem como prevenir problemas de saúde relacionados. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma das abordagens psicológicas mais eficazes para tratar a ansiedade, e trabalhar com um terapeuta ou profissional de saúde mental experiente pode ajudar as pessoas a gerenciar seus sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

Como funciona a mente de uma pessoa ansiosa?

A mente de uma pessoa ansiosa pode funcionar de forma diferente de uma pessoa sem ansiedade. A ansiedade é caracterizada por preocupação excessiva e medo relacionado a situações específicas ou a uma série de coisas. Algumas características comuns da mente de uma pessoa ansiosa incluem:

  1. Pensamentos catastróficos: As pessoas ansiosas tendem a ter pensamentos negativos e pessimistas, preocupando-se com o pior cenário possível.
  2. Foco em detalhes: As pessoas ansiosas tendem a prestar atenção aos detalhes minuciosamente, focalizando-se em possíveis ameaças e preocupações.
  3. Dificuldade para relaxar: Pessoas ansiosas frequentemente têm dificuldade para relaxar, devido a preocupação persistente e a pensamentos constantes.
  4. Hipervigilância: Pessoas ansiosas podem ser hipervigilantes, sentindo-se constantemente alerta e preparadas para lidar com uma possível ameaça.
  5. Dificuldade para dormir: Pessoas ansiosas podem ter dificuldade para adormecer devido às preocupações constantes e à hipervigilância.

É importante notar que essa é uma descrição geral e que as pessoas podem se relacionar com diferentes graus de ansiedade, e as formas como a mente funciona também pode variar de pessoa para pessoa. O psicólogo cognitivo-comportamental (TCC) é uma das abordagens psicológicas mais eficazes para tratar a ansiedade, e trabalhar com um terapeuta ou profissional de saúde mental experiente pode ajudar as pessoas a gerenciar seus sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

Quais alterações no cérebro uma pessoa ansiosa?

Estudos científicos têm mostrado que a ansiedade está relacionada com alterações cerebrais específicas. Algumas dessas alterações incluem:

  1. Atividade aumentada no sistema límbico: O sistema límbico é uma região do cérebro que é responsável por controlar as emoções e a motivação. Em pessoas com ansiedade, há uma atividade aumentada no sistema límbico, o que pode contribuir para a sensação de medo e preocupação.
  2. Atividade reduzida no córtex pré-frontal: O córtex pré-frontal é uma região do cérebro que é importante para a regulação das emoções e para a tomada de decisões. Em pessoas com ansiedade, há uma atividade reduzida no córtex pré-frontal, o que pode contribuir para a incapacidade de controlar o medo e a preocupação.
  3. Atividade aumentada no sistema nervoso simpático: O sistema nervoso simpático é responsável por aumentar a frequência cardíaca e a pressão arterial em resposta a situações de perigo ou estresse. Em pessoas com ansiedade, há uma atividade aumentada no sistema nervoso simpático, o que pode contribuir para sintomas físicos como taquicardia, sudorese e dificuldade para respirar.
  4. Alterações na neuroquímica: Estudos têm mostrado que a ansiedade está relacionada a alterações nos níveis de neurotransmissores como serotonina, dopamina e GABA (ácido gamma-aminobutírico). Essas alterações podem contribuir para a sensação de medo e preocupação.

É importante lembrar que essa é uma descrição geral e cada pessoa pode apresentar diferentes alterações cerebrais relacionadas a ansiedade, ademais, a compreensão do cérebro é uma área em constante evolução e novos achados podem ser encontrados. Além disso, a relação entre essas alterações cerebrais e os sintomas da ansiedade pode ser complexa e ainda não está completamente compreendida. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e o uso de medicamentos ansiolíticos podem ser úteis para tratar a ansiedade.

Qual o nome do médico que cuida da ansiedade

O psiquiatra é o médico especialista em tratar transtornos de ansiedade. Ele é capacitado para diagnosticar transtornos de ansiedade e prescrever medicamentos para tratá-los. Além disso, psicólogos especialista em tratar transtornos de ansiedade, usando técnicas psicológicas, como terapia cognitivo-comportamental (TCC).

É importante notar que o tratamento pode incluir uma combinação de intervenções médicas e psicológicas, e é recomendado trabalhar com uma equipe multidisciplinar para uma avaliação e tratamento adequado.

Quem tem ansiedade pode ter um infarto?

A ansiedade pode estar relacionada a um maior risco de problemas cardíacos, incluindo infarto. Isso pode ocorrer por várias razões:

  • Estresse crônico: A ansiedade crônica pode causar estresse no corpo, o que pode aumentar a pressão arterial e a frequência cardíaca, levando a problemas cardíacos.
  • Hábitos de vida pouco saudáveis: As pessoas com ansiedade podem ter hábitos de vida pouco saudáveis, como fumar, consumir álcool em excesso e não se exercitar o suficiente, que podem aumentar o risco de problemas cardíacos.
  • Sintomas físicos: A ansiedade pode causar sintomas físicos, como taquicardia, dor no peito e dificuldade para respirar, que podem ser confundidos com um infarto.

É importante notar que a ansiedade sozinha não é uma causa direta de infarto, mas seus sintomas físicos podem estar relacionados a problemas cardíacos, e é importante avaliar se há outros fatores de riscos ao se tratar de ansiedade. Se você tem ansiedade e tem preocupações sobre problemas cardíacos, é recomendável consultar um médico para avaliar sua saúde cardiovascular e discutir estratégias para gerenciar sua ansiedade.

Quer mais informações? Me siga no Instagram @dryuribusin

Últimas publicações

images/blog/o-que-e-vergonha-e-como-lidar-com-ela.jpg
Cotidiano

O que é vergonha e como lidar com ela?

images/blog/o-que-e-bolha-social.jpg
Cotidiano

O que é bolha social e como ela pode afetar a sua vida

images/blog/porque-voce-deve-comecar-a-ter-compaixao.jpg
Cotidiano

Por que você deve começar a ter autocompaixão hoje mesmo

Tudo bem buscar ajuda!

Agende agora mesmo uma consulta e vamos conversar.

Agendar uma consulta
Yuri Busin