A autoestima está relacionada com a forma como você se percebe no mundo, como você encara quem você é e, claro, como você se sente em relação a isso. Ela também pode ser vista como a constituição de nossas crenças, qualidades, capacidades, modos de agir e gerir as nossas emoções, criando assim a nossa autoimagem.

Com isso, aumentar a autoestima está diretamente relacionada com a modificação da forma como pensamos e agimos no mundo. É fundamental compreender como você está se percebendo, para então modificar alguns aspectos negativos.

Quanto mais valor a pessoa se dá, quanto melhor ela se percebe diante das suas questões, tendo crenças favoráveis em relação a si própria, maior será o seu amor próprio. Mas, se a pessoa possui crenças negativas em relação a si mesma, isso irá afetar diretamente a autoestima, trazendo diversos prejuízos para a sua saúde emocional.

Por isso, é fundamental compreender realmente o que ela é e como ela pode nos afetar, para então aprender a modificar os aspectos negativos, para que seja possível se beneficiar com isso. Portanto, veja algumas dificuldades que os problemas com a autoestima podem causar.

Os principais sintomas da baixa autoestima

Uma pessoa que está com a autoestima baixa geralmente sofre de insegurança, pois não acredita no próprio potencial. Assim, ela sempre irá precisar da ajuda do outro para saber se está agindo de maneira correta.

Além disso, a baixo autoestima poderá fazer com que a pessoa tenha outras dificuldades, como por exemplo, passar a ser emocionalmente dependente do outro, por não acreditar que sozinha era irá dar conta das questões da vida.

Em alguns casos, os problemas com a autoestima podem trazer duas ou mais doenças psicológicas simultâneas, como ansiedade, depressão, medo da intimidade ou do sucesso, abuso de álcool ou drogas, dificuldades na escola ou no trabalho, relacionamentos abusivos, disfunções sexuais, imaturidade emocional, entre outros.

Portanto, é possível perceber que a baixo autoestima poderá afetar significativamente a vida da pessoa. Por isso, passa a ser interessante encontrar algumas estratégias psicológicas para aumentar o amor próprio e passar a ter uma melhor qualidade de vida.

Dicas psicológicas para aumentar a autoestima

A baixa autoestima está relacionada com a nossa forma de nos perceber no mundo e uma das principais causas é a falta de aceitação de nós mesmos. É muito comum que as pessoas estejam insatisfeitas com o próprio corpo, com a forma de ser, de pensar e agir. Assim, elas passam a não se aceitar e tentam se transformar em outras pessoas.

Por isso, um dos primeiros passos para aumentar a autoestima é a buscar a autoaceitação. Ou seja, passar a se aceitar da forma como você realmente é, tanto na parte física como na parte emocional. Essa aceitação irá fazer com que você passe a ter uma melhor relação com você mesma.

É claro que devemos sempre buscar o autodesenvolvimento, porém, não no sentido de mudança, mas no sentido de crescimento. Assim, ao aceitar quem você é, como você está, você poderá encontrar melhores mudanças positivas, sem ficar desejando ser ou ter as coisas que as outras pessoas têm.

Além disso, é fundamental passar a pensar sobre as próprias potencialidades e qualidades, no lugar de pensar apenas sobre os próprios defeitos. Com isso, fica mais fácil perceber que, assim como todos, você também tem qualidades e defeitos.

Ao focar-se mais nas qualidades, você passa a se enxergar de uma forma mais positiva, tendo como resultado uma elevação da sua autoestima.

Portanto, aprender a reconhecer a si mesmo, suas crenças, qualidades e dificuldades, poderá ser uma ótima forma de modificar a sua visão sobre si e melhorar a sua saúde mental, tendo como consequência o aumento da autoestima.

E você, está enfrentando algum problema psicológico e acredita que ele é motivado pela sua baixa autoestima? Precisa de ajuda profissional para praticar o seu amor próprio. Entre em contato e marque uma consulta! Até mais!

Deixe um comentário