Pular para o conteúdo

Maneiras de aumentar a sua inteligência emocional

Você sabia que uma pessoa com Inteligência Emocional (IE) elevada supera aquela que tem um Quociente de Inteligência (QI) alto?

A propósito, um estudo elaborado pela Capgemini Research Institute apontou que no âmbito profissional, as empresas irão buscar com mais afinco funcionários com uma inteligência emocional forte nos próximos cinco anos.

Mas essa característica é relevante não apenas no ambiente corporativo. Ela pode e deve colaborar com a sua vida no geral. Veja como aprimorar esse lado.

O que é Inteligência emocional?

O conceito surgiu na época de Charles Darwin, que notou a importância dessas duas palavras para a sobrevivência e a adaptação das espécies. De lá para cá, outros teóricos também estudaram esse termo.

Atualmente, Daniel Goleman, psicólogo norte-americano, é considerado o “pai” da inteligência emocional. A propósito, essa expressão é basicamente a capacidade de um indivíduo em reconhecer e lidar com as suas emoções e, claro, usá-las a seu favor.

Trabalhar essa habilidade é uma forma de favorecer vários aspectos que englobam tanto a saúde física quanto a mental. Inclusive, o que muita gente não sabe, é que apostar na IE pode colaborar na prevenção de transtornos psicológicos, como a ansiedade e depressão.

Mas será que as pessoas já nascem com essa aptidão ou podem desenvolvê-la mais para frente? Separamos cinco dicas no próximo tópico.

Como aperfeiçoar a inteligência emocional?

Segundo Rodrigo Fonseca, presidente da Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional (SBIE), obter a inteligência emocional é possível através de treinos. Por exemplo, se você deseja ter um preparo físico melhor, é importante pôr em prática todos os dias, não é mesmo?

Então, o mesmo acontece com essa capacidade. Por sinal, ela pode ser desenvolvida a partir da infância, mas nada impede de praticá-la na fase adulta. Aumentá-la é viável através de algumas atitudes, como:

  • Expressar suas emoções;
  • Ter empatia;
  • Pratica atividades físicas;
  • Exercitar o autoconhecimento;
  • Fazer terapia com psicólogo.

Controlar o que sente não significa silenciar essas sensações. Conversar é um caminho para que haja um equilíbrio emocional e entender melhor o que está acontecendo. Falando nisso, se colocar no lugar do outro é um jeito de ser compreensivo consigo e com as pessoas ao redor.

Alguns exercícios físicos, como o mindfulness, fazem com que o lado introspectivo do ser humano entre em ação e contribua para que haja reconhecimento e controle das emoções. Praticar o autoconhecimento também colabora na análise das suas atitudes e sensações que impactam o dia a dia.

Por fim, a busca de um profissional qualificado tende a auxiliar de maneira eficaz esse processo. A terapia tem por objetivo fazer com que o paciente olhe de dentro para fora e, ao final, é possível notar resultados que desenvolvam essas habilidades interpessoais.

Consideração: Mudanças não acontecem da noite para o dia. Mas saiba que a partir de um treino diário e cauteloso, o cérebro pode ser treinado para ter comportamentos emocionalmente saudáveis.

A inteligência emocional proporciona qualidade de vida, seja pessoal ou profissional. Aposte nela e obtenha resultados reais. Precisando de ajuda? Consulte um psicólogo entrando em contato!

Voltar ao topo