A busca pelo relacionamento amoroso, pelo parceiro ideal e pelo amor de nossas vidas para muitos é algo fundamental. Mas, em certa medida, os relacionamentos podem se tornar destrutivos, trazendo problemas em longo prazo, quando o amor se torna patológico, o que deixa de ser algo belo e saudável e se transforma em um vício.

Quando se pensa em amor patológico, estamos falando de uma dependência emocional muito grande, que pode ser vista como um vício, no sentido negativo da palavra. Ou seja, a pessoa se torna viciada em quem ela diz amar.

No futuro, essa relação poderá trazer graves problemas para os envolvidos, tanto para quem é o dependente quanto para o outro. Por isso, é fundamental aprender a identificar o amor patológico e descobrir algumas formas de lidar com ele. Para te auxiliar, separei algumas das principais características desse quadro, confira.

1. O ciúme excessivo

No amor patológico existe o ciúme excessivo. Esse é um ciúme que ultrapassa todos os limites e a pessoa passa a perceber todas as interações do parceiro como uma possível traição.

É como se o integrante patológico acreditasse que o parceiro irá traí-lo e, com isso, fica criando fantasias a respeito dessas traições. Então, acaba ocorrendo diversos problemas na relação, podendo evoluir até mesmo para agressões, fazendo com que o outro se sinta aprisionado.

2. O medo da perda

Quem é viciado no outro acaba tendo dificuldade em lidar com a perda, por isso, demonstra repetidas vezes que não irá aceitar o término da relação e até faz ameaças de que se o relacionamento acabar, a vida irá acabar junto.

Por isso, a dificuldade em lidar com a perda do parceiro também está relacionada com o amor patológico, fazendo com que o outro se sinta na obrigação de continuar na relação, mesmo quando não deseja mais.

3. A dependência afetiva

Esse medo está relacionado com uma dependência do outro, fazendo com que a pessoa não tenha mais uma individualidade. Ela deixa de fazer as coisas sozinha e passa a fazer somente as coisas que o outro faz ou deseja.

É como se o dependente perdesse a sua própria identidade, assim, ele acaba responsabilizando o outro por tudo.

4. A necessidade do outro

Além de ter medo de perder o parceiro e ficar dependente, a pessoa também passa a ter uma grande necessidade do outro. Ela sente vontade de estar perto o tempo todo (nem sempre por carinho, mas por medo), e não dá espaço para o outro ter a sua própria vida.

Com isso, a pessoa busca ter momentos juntos e sofre quanto está separada do parceiro. Como se fosse possível ser feliz apenas quando os dois estão juntos, se estão separados, não é possível aproveitar.

É por esse aspecto que se diz que o parceiro está viciado no outro, pois precisa do outro para se sentir bem consigo mesmo.

5. A vontade de controlar o outro

Justamente por ter medo de perder é que a pessoa dependente acaba sentindo a necessidade de controlar o outro, para que ele não faça nada que possa estragar o relacionamento.

É nesse ponto que o amor fica patológico e a pessoa passa a se sentir presa na relação, como se não tivesse mais desejos ou vontades próprias. E, caso a pessoa continue no relacionamento, a tendência é que esse controle apenas aumente. Por isso, é fundamental aprender a perceber e a lidar com o amor patológico.

Como lidar com o amor patológico?

É fundamental perceber que a relação está com problemas, para então passar a procurar maneiras de melhorá-la ou até mesmo por um fim na mesma. Mas, antes de tomar uma decisão tão importante, é interessante levar em consideração alguns aspectos.

Por exemplo, é fundamental fazer uma avaliação sobre esse relacionamento, para saber se é um caso de amor patológico. Essa avaliação pode ser realizada pela própria pessoa ou com a ajuda de um profissional. Nesse caso, o psicólogo poderá auxiliar em uma melhor avaliação.

Além disso, o psicólogo também estará apto para auxiliar a pessoa no que ela deve fazer para melhorar o relacionamento. Assim, poderá ser possível realizar algumas atitudes buscando um relacionamento mais saudável.

Em alguns casos, a pessoa acaba percebendo que ela é que está dependente. Nesses casos, fica ainda mais interessante procurar auxílio, pois, será possível compreender os motivos da dependência e encontrar maneiras saudáveis de lidar com ela.

E você, como anda seu relacionamento? Ainda está em dúvida se o seu amor pelo seu parceiro é patológico? Marque uma consulta e saiba como melhorar sua vida afetiva.